skip to Main Content

Entrevista: A importância da Incorporação de Novas Tecnologias na Saúde

A velocidade das mudanças tecnológicas tem sido cada vez maior em todas as áreas, e seus benefícios são absorvidos quase que instantaneamente pelas pessoas e instituições.

A You Care tem trabalhado intensamente, desde a sua fundação, no desenvolvimento de estratégias para otimizar o processo de incorporação de novas tecnologias na saúde, entre os stakeholders, focando no valor para o paciente.
Esse é um assunto muito atual, com desdobramentos importantes, tendo em vista a rapidez das mudanças tecnológicas, os reais ganhos para a cadeia de saúde como um todo e as particularidades desse processo no mercado brasileiro, o que engloba equipamentos, medicamentos, testes laboratoriais e seus processos em relação a reembolso e acesso aos diferentes públicos.
Assim, temos o prazer de publicar a entrevista do Dr. Cláudio Tafla, profissional com larga experiência e muito respeitado na área de saúde, com carreira construída em grandes empresas do setor, como Grupo Amil e Allianz. Atualmente é diretor médico da MAPFRE Saúde, uma nova divisão do Grupo Mapfre, empresa espanhola de seguros, resseguros e serviços, presente em 47 países e que agora assume papel importante também em gestão da saúde.
Com sua entrevista, o Dr. Cláudio nos fornece um panorama de como os players, principalmente as operadoras de saúde e a indústria, podem tornar tangíveis os ganhos do processo de incorporação de novas tecnologias.
Foto Claudio Tafla Incorporação de Novas Tecnologias na Saúde
Cláudio Tafla, médico, residência em Clínica Médica pela PUC-SP, com especialização em urgência e emergência, ATLS e ACLS (FMUSP). Atuou como professor do MBA de Gestão de Saúde da ABRAMGE – São Camilo e do Módulo de Saúde da BSP, além de ter integrado o Grupo de Saúde da Fundação Getúlio Vargas. Fez MBA em Gestão de Saúde e Serviços e cursos de Sistema de Saúde Pública e Privada na América Latina, em Harvard e Empreendedorismo na Babson University. Coordenou e desenvolveu programas e ferramentas de tecnologia da informação focados em Gestão da Saúde na Amil e Allianz. Atualmente está na Diretoria Médica da MAPFRE Saúde.
Qual o impacto da incorporação de novas tecnologias na saúde suplementar?
Todos nós somos a favor das novas tecnologias que nos trazem mais oportunidades de promover a saúde e qualidade de vida. Porém, diferentemente de outras áreas, na Saúde os avanços são sempre acompanhados de incrementos de custos, e alguns não são possíveis de serem absorvidos pela realidade brasileira.
Como o setor da saúde pode se beneficiar com a incorporação de novas tecnologias?
Os métodos de diagnósticos e tratamentos que vêm sendo descobertos trazem melhores condições de diagnósticos precoces e tratamentos menos invasivos, o que gera resultados muito positivos e esperançosos quanto à sobrevida e qualidade de vida das pessoas.
Até que ponto é relevante conhecer as novas tecnologias antes de sua incorporação?
Fundamental, pois temos que medir seu custo-efetividade, custo-benefício e valor agregado, além de devermos ser capazes de expor sobre o assunto à sociedade como um todo e questioná-la sobre o que estaria disposta a assumir pela incorporação dessas tecnologias.
Na Mapfre, você utiliza um método específico para fazer isso no seu dia a dia (como por exemplo, estabelecimento de reuniões periódicas com a indústria, participação ativa em congressos, comunicação frequente com a rede médica, avaliando as solicitações novas, etc.)?
Sim, estamos em constante contato com a Indústria e com seminários, congressos e revistas (sites) para acompanhar as evoluções e portfólios de incorporações, embora a velocidade de crescimento tenha sido demasiadamente grande nos últimos tempos.
Até que ponto a inclusão de novas tecnologias no rol da ANS é considerada mandatória para a incorporação de novas tecnologias? Quando isso acontece na Mapfre, por exemplo?
A ANS é o órgão regulador das operadoras de planos de saúde e a incorporação no Rol da ANS é mandatória para cobertura dos planos. Mas a não inclusão não quer dizer obrigatoriamente um não custeio por parte das operadoras. Apenas nos dá o direito de avaliar caso a caso sua utilização e cobertura.
Em sua opinião, ter conhecimento prévio sobre as novas tecnologias e poder consultá-las através de uma empresa consolidadora de informações pode ser considerado um diferencial competitivo? Por que?
Sim, pois facilitaria a análise e o entendimento, seguindo os mesmos protocolos e diretrizes. Obviamente, o nível de confiança e cumplicidade com esta empresa teria que ser bem alto para poder ser utilizada como fonte única de avaliação.
Que informações você considera fundamentais para analisar a incorporação ou não de uma nova tecnologia?
Conforme descrito anteriormente, os índices de custo-eficácia, custo-benefício, valor agregado e impacto orçamentário são questões muito relevantes para esta análise, além das questões regulatórias e legislativas.
 

A importância da Incorporação de Novas Tecnologias na Saúde

The speed of technological change has been increasing in all areas, and its benefits are absorbed almost instantly for people and institutions.

 
You Care has been working hard, since its foundation, to develop strategies to optimize the process of new technologies incorporation in healthcare among the stakeholders, focusing on add value to patients.
This is a very hot topic, with important developments, in view of the speed of technological changes, the real gains for the health chain as a whole, and the particularities of this process in the Brazilian market, which includes equipment, medicines, laboratorial tests, and its processes for reimbursement and access to different audiences.
Thus, we are pleased to publish the interview of Dr. Cláudio Tafla, professional with extensive experience and highly respected in healthcare market. His career was built on large companies in the sector, as Amil and Allianz Group, and he is currently Medical Director of MAPFRE Health, a new division of Mapfre Group, a Spanish company of insurance, reinsurance and services, present in 47 countries, and that now also plays an important role in healthcare management.
In this interview, Dr. Claudio gives us an overview of how the players, especially the health insurance companies and the industry, can make tangible gains incorporating new technologies in healthcare.
Foto Claudio Tafla Incorporação de Novas Tecnologias na Saúde
Cláudio Tafla, doctor, residency in internal Medicine at PUC-SP, specialized in emergency care, ATLS and ACLS (FMUSP). Was professor from the Health Management MBA of ABRAMGE – São Camilo and BSP Health Module. Also has integrated the Health Group of the Getúlio Vargas Foundation. He attended the courses of MBA in Healthcare Management of Services and System of Public and Private Health in Latin America, at Harvard, and Entrepreneurship at Babson University. He coordinated and developed softwares and tolls focused on health management when worked by Amil and Allianz. Currently is in the Medical directorship of MAPFRE Health.
What is the impact of new technologies incorporation in health insurance?
We are all in favor of new technologies that bring us more opportunities to promote health and quality of life. However, unlike in other areas, the Health advances are always accompanied by cost increases, and also, some may not be absorbed due to the Brazilian reality.
How can the healthcare sector benefit itself from the incorporation of new technologies?
The methods of diagnosis and treatment that have been discovered bring better conditions for early diagnosis and less invasive treatments, which generates very positive and hopeful results in terms of survival and quality of life.
Is it relevant to know about new technologies before its incorporation?
It is really important, because we have to measure their cost-effectiveness and cost-benefit, and we should be able to expound on the subject for society as a whole and question about what would be willing to take on to the incorporation of these technologies.
In Mapfre, do you use a particular method to do it in your day to day (eg., establishment of regular meetings with industry, active participation in conferences, frequent communication with the medical network, evaluating new requests, etc.)?
Yes! We are in constant contact with the industry, seminars, conferences and periodicals (sites) to monitor developments and portfolio acquisitions, although the growth rate has been too large in recent times.
To what degree the inclusion of new technologies in the ANS list is considered to be mandatory for the incorporation of new technologies? When does it happen in Mapfre, for example?
The ANS is the regulatory agency of health insurance providers, and the incorporation into the Role of ANS is mandatory for plans coverage. But the exclusion does not necessarily mean a non-funding by operators. Just give us the right to evaluate each case, their use and coverage.
In your opinion, to have prior knowledge about new technologies and to be able to refer them through an information consolidating company can be considered a competitive advantage? How does it come?
Yes, it would facilitate the analysis and understanding, using the same protocols and guidelines. Obviously, the level of trust and compliance with this company would have to be loud to be able to be used as the only source of evaluation.
What information do you consider essential to examine the inclusion or not of a new technology?
As described above, the ratios of cost-effectiveness, cost-benefit, value and budget impact are very important issues for this analysis, in addition to regulatory and legislative issues
 
 

Close search
Carrinho
Back To Top